O Sindicato, por meio da atuação de seu Departamento de Saúde, impediu a demissão de um bancário do Itaú que estava doente no momento da rescisão. O funcionário foi demitido pelo banco com uma sequela no joelho devido a um tiro que recebeu no exercício de seu trabalho em 2002.

Diante da situação, o Departamento de Saúde solicitou o cancelamento da demissão e a reabertura de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) ao Itaú. A entidade justificou a demanda pelo fato de que, de acordo com os relatórios médicos e exames, o problema do joelho com indicação cirúrgica era decorrente do acidente de trabalho e o banco deveria emitir a CAT conforme a lei 8213/91.

Com a recusa do Itaú em atender as solicitações, o Sindicato emitiu a CAT e a perícia do INSS reconheceu o nexo causal, concedendo ao bancário o benefício B91 (auxílio-doença acidentário).

O Sindicato alerta que bancárias e bancários não devem assinar o Atestado de Saúde Ocupacional (ASO) caso não se considerem aptos em exames de retorno ao trabalho, periódicos ou demissionais.

 

Compartilhe: