Fotos: Arquivo Sindicato

 


Estrutura do Clube Recreativo Minas, conhecido como Clube do Bemge

 

O Sindicato desarticulou, nesta terça-feira, 18, nova tentativa de golpe da Federação da rua Sergipe/Contec, encabeçada pelo arquipelego Alvimar Paiva, diretor da federação e do Clube Recreativo Minas, e também pelo representante da área de Recursos Humanos do Itaú e presidente do clube, Marcelo Leão.

O Itaú, com apoio da Federação, tentou doar toda a área do Clube Recreativo Minas, mais conhecido como Clube do Bemge, ao prefeito eleito de Betim, o tucano Carlaile Pedrosa. A assembleia convocada pelos representantes do clube para a deliberação não foi amplamente divulgada, ocorreu em horário de trabalho dos bancários, às 11h, e não seguiu normas previstas em estatuto.

O clube pertence aos funcionários do ex-Bemge e do atual Itaú Unibanco, da ativa e aposentados. Durante a assembleia, os associados denunciaram que a manobra política seria realizada em troca da concentração das contas e arrecadação de impostos e taxas municipais de Betim no Itaú. Segundo as denúncias, após a entrega do clube, o prefeito tucano disponibilizaria sua estrutura para servir de centro de treinamento dos jogadores do atual Ipatinga Futebol Clube, futuro Betim Esporte Clube.

Em ação organizada, diretores do Sindicato, juntamente com associados e bancários ativos e aposentados, compareceram à assembleia e deliberaram pela sua remarcação, dentro das regras estatutárias. Os representantes dos bancários exigiram também que o banco marque uma reunião com o Sindicato para apresentar os balanços financeiros, já que balancetes de 2000 mostravam uma receita de R$ 221 mil e déficit de R$ 5 mil e, nos números agora apresentados, o déficit ultrapassou os R$ 450 mil.

Além disso, os representantes dos bancários exigiram a suspensão das demissões dos empregados do clube, para que ele possa funcionar normalmente até a solução do impasse e a marcação da nova assembleia.

 

 

Para o funcionário do Itaú e diretor do Sindicato, Antônio Guimarães (Magaiver), além da discriminação aos bancários mineiros, “a intenção do banco é fazer o mesmo que fez com os planos de Saúde dos empregados, que é gerar déficit para aumentar a arrecadação ou acabar com os benefícios”.

O diretor ressaltou também a importância da atuação do Sindicato na assembleia. “Se não fosse a presença dos diretores do Sindicato, a manobra teria dado certo. Vários funcionários do Itaú que são dirigentes da Federação da rua Sergipe estavam escondidos nas dependências do clube para votar pela sua extinção. O próprio Alvimar Paiva, que é diretor do clube, fugiu para não ser fotografado”, afirmou Antônio Guimarães.

O presidente do Sindicato, Cardoso, lembrou que o presidente do clube, Marcelo Leão, procura o Sindicato quando precisa discutir outros assuntos. Porém, neste caso da extinção do clube dos funcionários do Itaú, o banco se aliou a quem sempre retirou os direitos dos bancários. “Não foi a primeira tentativa de golpe. No início de 2012, o pessoal da Federação da rua Sergipe/Contec queria fundar um sindicato que, além de dividir e enfraquecer os bancários da cidade de Betim, tinha interesses eleitoreiros favoráveis aos tucanos”, destacou.

 


Representantes da Federação da rua Sergipe aguardam a assembleia

 

Para o diretor jurídico do Sindicato, Fernando Neiva, a Federação da rua Sergipe continua agindo para prejudicar os bancários e a luta do Sindicato é fundamental. “Mais uma vez, a categoria bancária, principalmente os bancários do Itaú, impediram que a Federação entregasse seu patrimônio de graça ao Carlaile, prefeito eleito de Betim. É muito grave que a assembleia tenha sido convocada nos mesmos moldes que os senhores Marcelo Leão e Alvimar Paiva sempre atuaram: na calada da noite, sem convocação legalizada e sem os principais interessados estarem cientes de todo o processo. Evitamos, mais uma vez, o golpe por parte destes senhores. É importante ressaltar que o próprio presidente do clube, Marcelo Leão, reconheceu a má gestão, que levou ao déficit de R$ 450 mil. Os bancários devem ficar atentos, pois este patrimônio é muito valioso e não podemos permitir que ele saia das mãos da categoria”, afirmou.

 


Representante do prefeito eleito de Betim (com camisa verde) acompanha a assembleia

Compartilhe: