Foto: Seeb SP

O Sindicato manifesta os sentimentos de dor e solidariedade aos familiares, amigos e companheiros de luta do bancário, dirigente sindical, deputado federal e ministro Luiz Gushiken que faleceu nesta sexta-feira , dia 13, aos 63 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde estava internado em estado grave por causa de um câncer.

Funcionário do antigo Banespa, adquirido pelo Santander no processo de privatizações do governo HHC, ele sucedeu Augusto Campos e presidiu o Sindicato dos Bancários de São Paulo, atuando de forma ativa contra a ditadura militar, pela redemocratização do país e em defesa da categoria bancária.

“Para bem exercer o poder é preciso ao mesmo tempo gostar de exercê-lo e igualmente ter desprendimento em relação a ele”, dizia Gushiken. E poucos exerceram com tanto talento e humildade.

Ele esteve à frente da maior greve nacional dos bancários, em 1985, defendendo os trabalhadores por salários dignos e por melhores condições de trabalho, conquistando vitórias importantes para a categoria, como o tíquete-refeição e o auxílio-creche/babá, até hoje direitos assegurados na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

Gushiken também ajudou a organizar o Departamento Nacional dos Bancários da CUT, que deu origem à Confederação Nacional dos Bancários (CNB-CUT) e mais tarde à Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), além de participar da criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT).

Ele presidiu o PT e foi eleito deputado federal por três vezes, tendo sido deputado constituinte e ajudou a construir a Constituição Cidadã de 1988, atualmente em vigência no país.

Foi também coordenador da campanha vitoriosa de Lula em 2002, tendo sido ministro-chefe da Secretaria de Comunicação no primeiro mandato, onde foi autor de uma campanha de resgate da autoestima do brasileiro, cujo slogan era “Sou brasileiro, não desisto nunca”.

Problemas de saúde

Os problemas de saúde remontam à década de 70, quando passou por pesado tratamento radioterápico após a retirada de um câncer no testículo. Sofreu um ataque cardíaco em 2001. Em 2002, extraiu o estômago, sofreu septicemia após a cirurgia e perdeu 20 quilos em sete dias.

Em 2008 teve novo princípio de infarto e, em 2010, passou por grande cirurgia para retirar várias partes de órgãos internos acometidos pelo câncer, operação que se repetiu em maio deste ano.

Sua força, ética, coragem e competência serão sempre lembrados pelo movimento sindical e pela militância política e social. Com a morte de Gushiken, o Brasil e toda uma geração de militantes sindicais e lutadores políticos e sociais perdem uma referência intelectual e um símbolo de dignidade.

 

Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe: