Foto: Alessandro Carvalho

Foto: Alessandro Carvalho

Só a Luta te Garante: com esse mote, foi lançada nesta terça-feira, 16 de agosto, em Belo Horizonte, a Campanha Nacional dos Bancários 2016. O Sindicato visitou agências bancárias e realizou um ato na praça Sete para deixar claro a todos os bancários e à população da capital mineira que só a luta garante direitos e pode impedir retrocessos.

Com este tema, o Sindicato levou esquete teatral da Cia dos Aflitos a unidades bancárias de sua base para chMarca_RosaTexto2amar a categoria para a mobilização. Foram também distribuídas rosas, que são a marca da Campanha Nacional deste ano, e uma carta aberta que explica a simbologia contida na logo.

A rosa é composta por diversos elementos, cada um representando um valor fundamental da luta dos trabalhadores. A igualdade é representada pelo “8”, que simboliza o infinito. A resistência está representada na simbologia do galho com espinhos, que mantém e sustenta toda a luta. A luta que deve ser contínua, é representada pela forma de uma espiral crescente. Já a tolerância e o respeito estão representados pelo coração.

Todos estes símbolos unidos formam a rosa que representa a Campanha Nacional 2016. A união destes valores representa a garra e a unidade da categoria bancária, que inicia mais um processo de negociação com os bancos e exige respeito e valorização dos trabalhadores.

Marca_Hashtags1

A pauta de reivindicações deste ano foi definida durante a Conferência Nacional dos Bancários, entre os dias 29 e 31 de julho, em São Paulo, e referendada por bancários de BH e região em assembleia no dia 8 de agosto na sede do Sindicato. Entre os pontos principais, estão a defesa do emprego, o combate ao assédio moral e às metas abusivas, reajuste correspondente à reposição da inflação mais 5% de aumento real, entre outros pontos (mais detalhes ao final da página).

A minuta foi entregue pelo Comando Nacional aos bancos no dia 9 de agosto, em São Paulo, e a primeira rodada de negociação será realizada nesta quinta-feira, 18.

Os empregados da CAIXA, que também entregaram sua pauta específica ao banco no dia 9, realizam a primeira negociação nesta quarta-feira, 17. Os funcionários do BB, por sua vez, entregaram a pauta específica ao banco no dia 11 de agosto e iniciam as negociações da Campanha Nacional com o banco no dia 23 deste mês.

“Estamos levando a Campanha Nacional 2016 para dentro das agências e convidando bancárias e bancários a participar ativamente de nossas mobilizações nas ruas. A entrega das rosas e as apresentações teatrais foram recebidas com grande entusiasmo pelos trabalhadores, e é este o entusiasmo que queremos da categoria durante a Campanha Nacional para que possamos enfrentar os banqueiros, defender nossos direitos e garantir avanços”, destacou a presidenta do Sindicato, Eliana Brasil.

Confira mais fotos do lançamento da Campanha Nacional 2016

Fotos: Alessandro Carvalho
Lançamento2_16ago
ALC_3668
ALC_3654
ALC_3631
ALC_3584
ALC_3518
ALC_3497
ALC_3454
ALC_2224
ALC_2223
ALC_2222

PRINCIPAIS REIVINDICAÇÕES

Reajuste salarial: 14,78% (incluindo reposição da inflação mais 5% de aumento real).

PLR: 3 salários mais R$8.317,90.

Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).

Vale alimentação, vale refeição, 13ª cesta e auxílio creche/babá no valor de R$880,00 ao mês cada um.

Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.

Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.

Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.

Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.

Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Compartilhe: