O Sindicato lança hoje, quinta-feira, 19 de abril, na Praça Tiradentes, no centro de Betim, a campanha “Diga não ao imposto sindical”. Encabeçada pela CUT, a campanha “Liberdade e Autonomia Sindical – democratizar relações de trabalho para ampliar e garantir direitos” vem sendo divulgada desde 8 de março e possui como uma das suas frentes de ação o plebiscito “Eu digo NÃO ao imposto sindical”. A coleta de assinaturas dos trabalhadores começou em 26 de março e deve se estender até 15 de junho. O evento é o primeiro de uma série que será realizado em várias cidades da base do Sindicato.

O presidente do Sindicato, Cardoso, lembra que ao ser fundada em 1983, no final da ditadura no Brasil a CUT veio para romper com uma estrutura sindical do governo Getúlio Vargas, atrasada e equivocada, baseada num sindicato sem participação dos trabalhadores. A Central completa 30 anos em 2013 e, ao longo desses anos, se tornou a quinta maior Central do mundo.
Cardoso ressalta que hoje no Brasil existem 19 mil sindicatos, mas muitos não são representativos, pois são de fachada. “Há uma grande quantidade de sindicatos que não atuam junto a sua categoria, apenas arrecadam. A CUT leva o sindicalismo a sério, e representa de fato os trabalhadores. A Central defende a valorização do sindicalismo nacional e a democracia, acabando com o imposto sindical e transformando-o em contribuição, de acordo com a vontade dos trabalhadores”, enfatiza.

Para Cardoso, o fim do imposto sindical é uma bandeira histórica da CUT e do Sindicato dos Bancários de BH e Região. “O fim do imposto sindical vai fortalecer os sindicatos de luta que realmente estão ao lado dos trabalhadores e acabar com os falsos sindicatos e os falsos sindicalistas que não possuem representatividade e nem prestam contas à categoria que representam. Os exemplos claros desses tipos de entidades são os sindicatos filiados a federação da rua Sergipe e à Contec, representados pelo arquipelego Alfredo Brandão, que está na presidencia da federação há mais de 30 anos, às custas do imposto sindical. Chegou a hora de dar um basta a esses oportunistas. Entre no site do Sindicato e diga não ao imposto sindical”, finaliza.

Compartilhe: