Foto: Guina – Contraf-CUT

O Sindicato, representado pelo funcionário do Banco do Brasil e diretor, Wagner Nascimento, fez parte da comitiva que entregou na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 5, a denúncia dos bancários contra o descaso da atual gestão do BB. Os representantes dos trabalhadores visitaram gabinetes e dialogaram com parlamentares sobre os problemas causados pela direção do banco, como o novo plano de funções comissionadas implantado sem qualquer negociação com as entidades sindicais.

Foi entregue aos deputados um panfleto com o título “Banco do Brasil lucra, mas gestão põe em risco o futuro”, com denúncias de desmandos da atual direção do BB.

Clique aqui para ler o material entregue aos parlamentares.

A panfletagem abriu a campanha definida na última reunião do Comando Nacional dos Bancários, realizada no dia 22 de fevereiro, em São Paulo, para intensificar a mobilização e alertar o governo e a sociedade sobre os riscos de gestão temerária e do futuro passivo trabalhista decorrente dos desmandos da administração do BB.

No dia 6 de março, durante as manifestações da 7ª Marcha por Desenvolvimento, Cidadania e Valorização do Trabalho, representantes dos trabalhadores levaram as denúncias também ao Departamento de Coordenação e Controle de Empresas Estatais (Dest), no Ministério do Planejamento, e à Secretaria-Geral da Presidência da República.

O assessor especial do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, José Lopez Feijóo, ouviu os representantes dos bancários, prometeu apurar todas as denúncias e fazer os devidos encaminhamentos.

Para o funcionário do Banco do Brasil e diretor do Sindicato, Wagner Nascimento, este foi um importante passo para provocar o governo no sentido de abrir os olhos para os problemas do banco. “Questões como a perseguição aos funcionários, aumento do passivo trabalhista e jornada de trabalho ilegal já existem há muito tempo no BB. Além de tudo, o banco implantou um plano de funções que reduz salários e retira direitos dos bancários sem nenhuma negociação prévia. Isso só demonstra o caráter autoritário da atual diretoria do BB”, afirmou.

Calendário de mobilização definido pelo Comando

Primeira quinzena de março – elaboração da revista O Espelho – Especial Plano de Funções.

20 de março – novo dia nacional de luta.

Março e abril – campanha nacional para denunciar os problemas causados pela gestão do BB tanto ao corpo funcional quanto ao governo e sociedade, com plenárias e eventos de divulgação.

Abril – Paralisação de 24 horas a ser programada

Maio – Congressos dos funcionários de bancos públicos entre os dias 17 e 19 em São Paulo.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: