O Sindicato informa a todos os bancários da CAIXA que aderiram à Greve Geral, no dia 28 de abril, que adotará todas as providências possíveis e necessárias para o abono ou compensação do dia de paralisação.

O Sindicato propôs, no dia 27 de abril, logo após a advertência de que o dia seria descontado, uma Ação Civil Pública que tramita na 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. Lamentavelmente, a juíza do Trabalho em exercício entendeu que a questão da falta deveria ser objeto de acordo entre as partes e que, por isso, não poderia deferir a liminar pedida pelo Sindicato.

Ao contrário do que aconteceu em Belo Horizonte, outros sindicatos obtiveram, na Justiça do Trabalho, liminares que impediam o desconto e o lançamento da falta, como se verificou no Rio de Janeiro e em Fortaleza. Nessas capitais, a Justiça do Trabalho determinou a compensação do dia de greve.

O Sindicato também tomou providências junto ao TRT/MG, questionando o indeferimento da liminar. A manifestação da I Seção de Dissídios Individuais do TRT sobre o pedido do Sindicato deve acontecer nos próximos três meses.

A decisão liminar da juíza de Belo Horizonte não esgota o mérito da demanda, que seguirá normalmente com audiência prevista para o dia 12 de junho de 2017, oportunidade em que a CAIXA apresentará sua defesa. Nesse processo, será ouvido também o Ministério Público do Trabalho.

Paralelamente ao processo, o Sindicato, juntamente com a Contraf-CUT e outras entidades de bancários, marcou negociação com a CAIXA para definir, entre outros assuntos, como ficará a questão da paralisação do dia 28 de abril.

Compartilhe: