Diante de várias denúncias de assédio moral no Bradesco, o Sindicato paralisou, nesta quarta-feira, 20 de abril, as atividades de duas agências do banco em Belo Horizonte: Rua Platina (1210) e Alfredo Balena (3435). A entidade vem cobrando, com frequência, o fim dos abusos contra funcionárias e funcionários. Porém, diante da falta de solução imediata por parte do banco, a alternativa foi a paralisação.

O assédio moral é um grave problema que afeta bancárias e bancários do Bradesco em todo o Brasil, cometido principalmente pelos altos cargos dentro do banco. Nas diversas reuniões realizadas pelo Sindicato com a direção do Bradesco, este é sempre o principal tema tratado e o Bradesco já havia se comprometido a tomar providências, respeitando os acordos assinados com a categoria e a Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários.

Através do canal de denúncias que está previsto no acordo assinado, tem crescido o número de casos de assédio moral relatados por bancárias e bancários ao Sindicato. Em específico, aumentou o número de denúncias contra gerentes gerais das agências Rua Platina e Alfredo Balena, que tiveram suas atividades paralisadas nesta quarta-feira por este motivo.

Negociação

Diante da pressão exercida pelo Sindicato, o diretor Regional do Bradesco em Minas Gerais, Alex Braga, designou os gerentes regionais Joel Queiroz e Roberto Lozano para negociar com a entidade uma solução definitiva para o problema.

Desta forma, na presença de diretores do Sindicato e de funcionários do banco, ficou acordado que o banco transferirá os dois gerentes de suas respectivas agências e que não haverá qualquer retaliação ou perseguição contra funcionárias e funcionários. Além disso, o Bradesco se comprometeu a manter aberto o canal de diálogo e a negociação com a categoria, afirmando que respeita os acordos assinados e a CCT.

Para o funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato, Leonardo Marques, houve avanços importantes e foi fechado um bom acordo, mas a entidade permanecerá atenta para agir em relação a novas denúncias. “Se recebermos novos relatos de assédio moral nas unidades de trabalho, agiremos imediatamente e tomaremos todas as medidas cabíveis, inclusive com novas paralisações nas unidades. O Bradesco sabe que já estamos negociando sobre este assunto em relação a outras agências e exigimos a solução imediata do problema. Estamos de olho e ressaltamos que é fundamental que os colegas de Bradesco continuem denunciando qualquer caso ao Sindicato”, afirmou.

Compartilhe: