Mais uma vez, o Sindicato teve que atuar e paralisar as atividades de uma unidade de trabalho do Bradesco diante do grande volume de denúncias de assédio moral cometido por uma gerente Geral. Nesta quinta-feira, 5 de maio, a paralisação foi realizada na agência 1408 (Avenida Antônio Carlos) para defender bancárias e bancários que vêm sofrendo com as pressões e o assédio.

No dia 20 de abril, o Sindicato já havia paralisado as atividades de outras duas agências do banco – Alfredo Balena e Platina – após receber denúncias de abusos por parte dos gerentes Gerais destas unidades.

Naquele dia, também estava prevista a paralisação da agência 1408. Porém, após negociação com o gerente Regional Norberto Morales, a diretoria da entidade decidiu por aguardar que o caso fosse solucionado, diante do comprometimento do Regional em conversar com a gerente Geral. Como não houve solução e surgiram ainda mais denúncias de assédio moral, o Sindicato agiu e paralisou as atividades da agência.

A ação da entidade surtiu efeito e os funcionários do Bradesco e diretores do Sindicato Carlos Augusto Vasconcelos (Mosca), Leonardo Marques, Paulo Henrique Correa e Wanderlei dos Santos negociaram com o gerente Regional Arilton Nandi e com Ronan Morais, que é assessor do gerente Regional Norberto Morales. Ficou acertado que o banco providenciará, em tempo hábil, a transferência da gerente Geral da agência, assim como não haverá retaliação aos funcionários.

O problema do assédio moral em unidades de trabalho do Bradesco é recorrente e se arrasta há um bom tempo. O Sindicato tem atuado fortemente para exigir o fim dos abusos e, além das paralisações, já houve várias tentativas de negociação com os gerentes Regionais e também o diretor Regional do Bradesco em Minas Gerais, Alex Braga.

“Mais uma vez, através da pressão do Sindicato, conseguimos fazer com que o banco utilizasse do bom senso para colocar fim aos abusos. Esperamos que o acordo seja cumprido o mais rápido possível e continuamos atentos para garantir um ambiente saudável de trabalho para funcionárias e funcionários do Bradesco, sem assédio moral. Por isso, reforçamos que as denúncias formais enviadas por bancários, de forma sigilosa, através do site do Sindicato, são fundamentais para que possamos atuar de forma rápida”, destacou o diretor do Sindicato Leonardo Marques.

Compartilhe: