O Sindicato, representado por seus diretores e funcionários do Itaú, Ramon Peres e Kennedy Santos, participou no dia 02 de maio de nova reunião com o   representante da área de Relações Sindicais-BH do Itaú Anderson Serra, para tratar de assuntos específicos relacionados aos bancários que compõe a base de Belo Horizonte e Região.

As reuniões permanentes ocorrem todos os meses e visam regularizar situações pendentes dos funcionários, como a falta de segurança nas agências que, deixa os bancários expostos aos riscos da violência e a precariedade das condições de trabalho.

Durante o encontro, os representantes dos empregados do Itaú cobraram mais uma vez a instalação de persianas e insulfilm nos vidros frontais da agência BH-Santa Mônica, para que a rotina dos empregados não seja acompanhada por quem passa do lado de fora. O representante do banco informou que será atendida a reivindicação do Sindicato e prepara a instalação para o dia 16 de maio.

O Sindicato também cobrou a equiparação dos salários dos Gerentes de Relacionamentos Uniclass, lembrando que durante a reunião ocorrida em novembro de 2011, os dois superintendentes comerciais ficaram de levar essa reivindicação para analise da direção do banco, visto que os pisos praticados para a função no antigo Unibanco era de R$3.600,00 e atualmente no Itaú, o piso praticado pode chegar à R$2.700,00. A informação dada pelo banco é que a faixa mínima foi ampliada sendo considerada adequada ao cargo sem precisar reajustar os salários inferiores. O Sindicato lembrou que o banco está assumindo a responsabilidade do passivo trabalhista e vai discutir esta distorção salarial durante as reuniões nacionais da COE-Itaú com o banco.

Outro ponto debatido pelo Sindicato foi o número de funcionários que estão em tratamento de saúde, principalmente na região de Contagem. Os funcionários têm reclamado que o banco não dá assistência adequada e vários estão tomando remédios tarja preta, consequência das cobranças de metas absurdas.

Sobre o fundo de pensão, plano 002 da Fasbemge, o Sindicato cobrou nova reunião com os administradores do fundo tendo a presença de dirigentes do Itaú. A última reunião para tratar deste assunto ocorreu em 24 de abril, sendo que o banco havia ficado de remarcar nova data para apresentar aos representantes dos empregados uma proposta que solucionasse o problema gerado pela extinção do desconto dos 90% nas contribuições dos participantes. O Sindicato exige que o banco reabra o dialogo o mais rápido possível.

Finalmente, o Sindicato também cobrou assistência médica e psicológica à todos os funcionários da agência BH-Serra, onde ocorreu o sequestro de uma funcionária com tentativa de assalto. Na ocasião, outros funcionarios souberam que os ladrões tinham conhecimento da rotina de cada um da agência e entraram em pânico. O banco informou que disponibilizou,através dos gestores da agência, assistência psicológica a quem necessitasse além do programa Fique OK e vai transferir a funcionária sequestrada de agência.

 

 

 

Compartilhe: