O Sindicato participou, nesta quinta-feira, 4, do Dia Nacional de Mobilização promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em defesa de empresas e serviços públicos. Bancários se uniram a várias outras categorias para dizer não às privatizações e à reforma administrativa, assim como cobrar preço justo para os combustíveis, auxílio emergencial e vacina já.

Entre as ações realizadas, um carro de som contratado pelo Sindicato circulou pelas ruas da região central de Belo Horizonte para divulgar a campanha. A entidade também esteve presente em ato organizado pelo Sindipetro/MG em um posto de combustíveis da capital, onde houve venda de gasolina (subsidiada pela CUT e sindicatos) a R$ 3,50 para trabalhadores de aplicativos de transporte e delivery.

Trabalhadoras e trabalhadores de todo o país protestam, ainda, contra as ameaças e ataques do atual governo a bancos públicos como a CAIXA e o Banco do Brasil. Durante a manhã, o Sindicato participou de tuitaço com as hashtags #BBoBancoDeTodos e #NãoDeixemVenderOBrasil, chamando atenção para o desmonte do banco público.

Outras empresas que sofrem na mira da política de Bolsonaro e Paulo Guedes são os Correios, a Petrobras e a Eletrobrás.

“Além da falta de auxílio emergencial e de vacinas no pior momento da pandemia, brasileiras e brasileiros sofrem com a alta nos alimentos, nos combustíveis e no gás de cozinha. Como se não bastasse, o governo pretende ainda destruir e vender as empresas públicas, além de privatizar serviços essenciais para a população. Não podemos permitir o desmonte do Estado brasileiro”, afirmou Rogério Tavares, diretor do Sindicato.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com CUT-MG

 

Compartilhe: