Nesta quinta-feira, 28 de novembro, é realizado um Dia Nacional de Luta por segurança e contra as demissões no Santander. Em Belo Horizonte, o Sindicato realizou um ato em frente à agência do banco localizada na Praça Sete e paralisou as atividades da unidade até o meio dia. Os trabalhadores cobram mais segurança e respeito, com o fim do assédio moral e das demissões.

Mesmo com lucro acumulado de R$ 10,8 bilhões entre janeiro e setembro deste ano, o Santander segue demitindo trabalhadores e contribuindo para o agravamento da crise do desemprego. As demissões não se justificam diante do crescimento dos lucros do banco em 20,4% entre 2018 e 2019.

É importante destacar, também, que o lucro do Santander, no Brasil, representou 29% do lucro global obtido pelo banco nos três primeiros semestres de 2019.

Como se não bastassem as demissões, trabalhadores e trabalhadoras do banco convivem com a insegurança nos locais de trabalho. Seguindo um novo plano para as agências, o Santander está retirando as portas giratórias de várias unidades, expondo bancários e clientes a graves riscos.

Nos Postos de Atendimento, unidades que só fazem atendimento gerencial e negócios, o banco retirou não apenas as portas giratórias, mas também os vigilantes. A situação traz risco de assaltos e também ameaças à integridade física dos trabalhadores.

“Com lucros exorbitantes, que crescem todos os anos, o Sindicato exige que o Santander respeite o Brasil e os brasileiros. Não podemos aceitar que funcionárias e funcionários trabalhem apreensivos diante das demissões e ainda com medo após a retirada de itens de segurança. Com este Dia Nacional de Luta, queremos deixar claro que a vida vale mais que o lucro e que o banco deve ter responsabilidade social”, afirmou o funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Wagner dos Santos.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

Compartilhe: