Trabalhadoras e trabalhadores de todo o Brasil realizam, nesta quinta-feira, 5 de julho, um Dia Nacional de Mobilização em Defesa das Empresas Públicas e da Soberania Nacional. A data foi definida em reunião do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas com representantes da CAIXA, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Embrapa, eletricitários, petroleiros, metroviários de Minas, além de representantes de quatro centrais sindicais – CUT, CTB, Intersindical e UGT – e de entidades como Contraf-CUT, Fenae, Anabb, Afbnb, Fenag e Aneac.

Em Belo Horizonte, o Sindicato realizará um ato a partir das 10h em frente à Agência Século da CAIXA, na rua dos Carijós, 218, Centro. A participação da categoria é fundamental.

A falta de compromisso do governo Temer com o povo brasileiro e com a soberania nacional não surpreende mais ninguém. O pré-sal está sendo entregue às multinacionais estrangeiras de graça, a educação e a saúde estão sendo sucateadas, sem recursos até para custeio e, agora, os golpistas intensificam os ataques às empresas públicas.

O debate sobre a importância das empresas, dos bens e dos serviços públicos precisa ser intensificado.

Mais do que isso, é preciso levar a discussão para os locais de trabalho e para dentro de casa, apoiar os movimentos sociais, se engajar em mobilizações. Só assim será possível barrar projetos que representam retrocessos e perda de direitos.

Um Brasil soberano, com todos, por todos, para todos, só se faz com a articulação virtuosa entre políticas públicas, investimento público e empresas públicas.

CAIXA, Banco do Brasil, BNDES, Petrobras, Eletrobrás, Correios, Embrapa, Casa da Moeda e tantas outras empresas públicas são parte da solução para os problemas do país. Por isso, é fundamental reforçar que defender as empresas públicas é defender o Brasil.

Se é público, é para todos.

 

Compartilhe: