Fotos: Alessandro Carvalho 

Ato contou com participação de bancários de base do BB. Confira mais fotos ao final da matéria.

 

Em mais um Dia Nacional de Luta em Defesa dos Bancos Públicos, o Sindicato realizou um ato nesta quarta-feira, 13, em frente ao prédio do Banco do Brasil localizado na rua da Bahia, 2500, em Belo Horizonte. Os trabalhadores destacaram a importância da luta em defesa dos bancos públicos, como o Banco do Brasil e a CAIXA, contra o desmonte promovido pelo governo Temer.

Durante a manifestação, que contou com a participação de bancários de base do BB, os trabalhadores cobraram respeito e criticaram a possível reestruturação preparada pelo Banco do Brasil que foi divulgada pela mídia antes mesmo que a categoria fosse informada.

Na última sexta-feira, 8 de dezembro, o Correio Braziliense publicou informações não oficiais sobre um novo processo de reestruturação a ser realizado pelo BB. Há cerca de um ano, o mesmo jornal publicou antecipadamente os detalhes sobre a última reestruturação que foi implementada.

A matéria atribui as informações a “interlocutores ligados ao presidente do BB” e aponta a intenção do banco de aumentar a terceirização, criar novo plano de demissão incentivada, forçar a transferência de funcionários para outras localidades, implantar remuneração por venda de produtos, reduzir despesas de pessoal, criar mais escritórios digitais, fechar agências ou transformá-las em postos de atendimento.

“É fundamental que façamos uma grande mobilização para combater os seguidos ataques do governo Temer aos trabalhadores e ao Banco do Brasil. A participação significativa de funcionárias e funcionários no ato desta quarta-feira mostrou que é possível deixar de se omitir na luta para organizar a resistência e defender nossos direitos”, afirmou o funcionário do BB e diretor do Sindicato, Helberth Ávila.

Escritórios digitais

Os trabalhadores também denunciaram que o Banco do Brasil segue negando que o trabalho nos escritórios digitais seja equivalente ao de telemarketing, mesmo que funcionárias e funcionários trabalhem durante toda a jornada com atendimentos telefônicos. Sendo assim, o banco vem descumprindo a NR 17 do Ministério do Trabalho, que regulamenta o trabalho em tele atendimento/telemarketing.

Descomissionamentos

Outra denúncia é a de que o BB vem promovendo o descomissionamento de trabalhadores que têm sentenças favoráveis na Justiça em ações de 7ª e 8ª horas. Os bancários afirmaram que, desta forma, o banco tenta cercear a ação de funcionários que buscam, na Justiça, a reparação de direitos trabalhistas descumpridos pelo próprio Banco do Brasil.

Não à reforma da Previdência

Os trabalhadores também criticaram, durante o ato, a reforma da Previdência proposta por Temer. O projeto pretende dificultar a aposentadoria dos brasileiros e, ao contrário do que diz o governo, não combate privilégios.

Além de acabar com a aposentadoria por tempo de contribuição e aumentar a idade mínima para se aposentar, a reforma pretende diminuir o valor dos benefícios e proibir o acúmulo de pensão por morte e aposentadoria.

Confira mais fotos do ato desta quarta-feira:

 

 

Compartilhe: