O Sindicato realiza, no próximo dia 23 de fevereiro, segunda-feira, em Belo Horizonte, o Encontro de Delegados Sindicais da CAIXA com objetivo de debater estratégias em defesa de uma CAIXA 100% pública. O evento contará com a participação de delegados sindicais da base de Belo Horizonte e região, de parlamentares convidados e de diretores do Sindicato empregados da CAIXA liberados e não liberados.

O evento será realizado no Hotel Dayrell, localizado na Rua Espírito Santo, 901, e contará com a participação de delegados sindicais da base de Belo Horizonte e Região, lideranças sindicais e parlamentares convidados, além  de diretores do Sindicato empregados da CAIXA, liberados e não liberados.

A empregada da CAIXA e presidenta do Sindicato Eliana Brasil destacou a importância da participação de todos no encontro. “Neste momento em que nós empregados e empregadas da CAIXA vivemos a incerteza quanto à abertura do capital do banco, é de suma importância que façamos o debate sobre o nosso futuro. Sabemos da importância da CAIXA para o desenvolvimento econômico e social do Brasil e precisamos nos fortalecer para defender este importante patrimônio que é de todo o povo brasileiro. Nós, dirigentes e delegados sindicais, mais uma vez temos um importante papel a desempenhar na mobilização da sociedade em defesa de uma CAIXA 100% pública para que o banco possa continuar a fomentar as políticas sociais do governo. Para isso, a presença de todos é de suma importância”, ressaltou.

CEE/Caixa aprova Dia Nacional de Luta em 27 de fevereiro

Em reunião de planejamento realizada nesta terça-feira, 3 de fevereiro, na sede da Fenae em Brasília (DF), a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) aprovou a realização do Dia Nacional de Luta em Defesa da Caixa 100% Pública. A mobilização, que ocorrerá em 27 de fevereiro, faz parte de uma série de ações que o movimento associativo e sindical tem realizado em todo o país para mobilizar os empregados e a sociedade contra qualquer tentativa de abertura de capital do banco.

O assunto também será discutido no seminário que a Fenae promoverá nos dias 24 e 25 de fevereiro, em Brasília, conforme informou Fabiana Matheus, coordenadora da CEE/Caixa e diretora de Administração e Finanças da Federação. “Defendemos a CAIXA como um banco totalmente público, para seguir cumprindo seu papel de fomentar o crescimento econômico e social do Brasil. No dia 27, mobilizaremos os mais de 100 mil empregados e todas as entidades representativas. As orientações para essa data serão divulgadas em breve”, afirma.

Além do Sindicato dos Bancários de BH e Região, entidades do movimento sindical de todo o país estão realizando debates sobre o tema. Já foram realizadas discussões no Acre, Bahia, Ceará, Pará, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe. Foi agendado um seminário também em Pernambuco no dias 10 e 23 de fevereiro.

A deputada federal Erika Kokay (PT/DF), que também é empregada da CAIXA, confirmou a realização de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, no dia 25 de fevereiro, para discutir a abertura de capital do banco. Os membros da Comissão Executiva dos Empregados também avaliaram como importante levar a defesa da CAIXA 100% pública para a Marcha dos Trabalhadores, convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelas demais centrais sindicais para 26 de fevereiro.

GDP

A CEE/Caixa reforçou a posição contrária ao programa Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP). Para a comissão, trata-se de um gancho para a privatização do banco, pois a medida está baseada em conceitos e práticas questionáveis dos maiores bancos privados. Ela também ameaça conquistas históricas da categoria como a promoção por mérito e a PLR Social.

Ficou definido que será publicada uma cartilha sobre o GDP. O objetivo é distribuir o material para os empregados da CAIXA a fim de que todos saibam porque os representantes dos empregados são contra o programa que é uma atrocidade imposta no ano passado pela direção da empresa. A representação dos empregados reafirmou que não vai aceitar esse absurdo, que representa a individualização das relações de trabalho.

Isonomia

Na reunião desta quarta-feira, os membros da CEE/Caixa também fizeram uma análise das resoluções do terceiro Encontro Nacional de Isonomia, realizado em agosto do ano passado, em Brasília. As federações firmaram o compromisso de avaliar as propostas de forma mais detalhada para definir quais serão os próximos encaminhamentos.

O ponto considerado mais urgente é a recolocação do projeto de lei nº 6.259/2005, que prevê isonomia entre os empregados da CAIXA, do Banco do Brasil, do Banco do Nordeste e do Banco da Amazônia. A Federação dos Bancários da Bahia e de Sergipe (Feeb/BA-SE) se comprometeu a entrar em contato com o deputado Daniel Almeida (PCdoB/BA), um dos autores do PL, para buscar mais informações sobre esse processo. As entidades que integram a CEE/Caixa farão um levantamento dos parlamentares dos respectivos estados que poderão apoiar o projeto de lei da isonomia.

Outros pontos

Foram repassados informes sobre a reunião da comissão paritária criada para debater e formular uma proposta de critérios para promoção por mérito em 2015, que ocorreu quarta-feira da semana passada. As discussões continuaram nesta quarta, 4 de fevereiro. A CEE/Caixa reafirmou o posicionamento manifestado pelos representantes dos trabalhadores de não aceitar a vinculação das regras ao cumprimento de metas, proposta que foi levantada pelos interlocutores da empresa.

Os membros da CEE/Caixa  também avaliaram as discussões do GT Saúde sobre a utilização do superávit do Saúde Caixa. O Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015 estabeleceu como prazo limite a data de 15 de dezembro para que o GT concluísse o debate, o que não aconteceu porque o banco não repassou as informações necessárias. Foi repactuado um novo prazo, até 15 de abril.

Foi debatida, também, a implantação dos projetos-pilotos dos Fóruns Regionais de Condições de Trabalho em São Paulo e Paraná. Esses fóruns têm por objetivo debater problemas relacionados à jornada de trabalho, assédio moral, segurança e estrutura das unidades, buscando propostas para solucioná-los. Os projetos-pilotos serão instalados também em Brasília, Campinas e Fortaleza.

A CEE/Caixa fez ainda uma discussão sobre os temas que deverão ser debatidos durante o 31º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), sem data definida.

Mesa permanente

Está agendada para o dia 19 de março a primeira reunião do ano da mesa de negociação permanente com a CAIXA. A pauta ainda será definida. Essas negociações são importantes para dar encaminhamento à pauta definida pelo Conecef e para tratar pendências da campanha salarial, bem como para cobrar da CAIXA o cumprimento das conquistas dos empregados que estão sendo desrespeitadas. Em 2015, o movimento dos empregados manterá como prioridades a melhoria das condições de trabalho e a defesa da CAIXA 100% pública.

CAIXA recua e vai reiniciar debate sobre promoção por mérito, mas insiste em vincular sistemática às metas

Após pressão dos representantes dos trabalhadores na comissão paritária que debate a sistemática de promoção por mérito para 2016, a CAIXA reviu a proposta que havia apresentado na reunião do dia 28 de janeiro e aceitou fazer um novo debate a partir dos critérios utilizados em 2013. No entanto, o recuo do banco foi parcial, pois continua o impasse sobre a vinculação da promoção ao AV Caixa, um instrumento utilizado para aferir metas.

A CAIXA insiste em manter essa vinculação, mas o movimento dos empregados já reafirmou que não vai aceitar. Na reunião desta quarta-feira, 4 de fevereiro, em Brasília (DF), os interlocutores do banco sugeriram substituir a avaliação de múltiplas fontes, um dos critérios de pontuação, pelo AV Caixa, posição criticada pelos representantes dos empregados. Os trabalhadores ressaltaram que a avaliação de múltiplas fontes também precisa ser aperfeiçoada, mas permite que a categoria participe ativamente do processo.

As representações dos trabalhadores argumentaram ainda que os critérios da promoção por mérito de 2013 foi fruto de debates durante quase sete anos, que não podem ser desconsiderados. O movimento dos empregados luta pelo aperfeiçoamento das regras. Nesta quarta-feira, a CAIXA entregou cópias de normativos e dados solicitados na reunião passada. Novas informações foram requisitadas e deverão ser repassadas antes do próximo encontro, agendado para o dia 24 de fevereiro.

Os representantes dos empregados avaliaram que o recuo parcial da CAIXA é positivo, mas a expectativa dos trabalhadores é de que, na próxima reunião, o banco reveja a posição de vincular as regras ao cumprimento de metas, já que esses são métodos utilizados em bancos privados e  causam, entre outros problemas, o adoecimento no ambiente de trabalho.

No ano passado, a CAIXA não realizou a avaliação por mérito. Na Campanha Nacional 2014, a categoria conquistou o pagamento de um delta por merecimento para todos os trabalhadores com no mínimo 180 dias de efetivo exercício e sem ocorrências restritivas. Outra importante conquista foi justamente a garantia de que o banco vai realizar sistemática de promoção por mérito em 2015, com as consequentes promoções em 2016.

Compartilhe: