Arte: Contraf-CUT

 

Sindicatos de todo o país estão recebendo denúncias contra a conduta inadequada do Mercantil do Brasil em relação aos acordos que foram conquistados e ajustados junto ao movimento sindical para trazer proteção aos clientes e funcionários contra o contágio da Covid-19.

Segundo as denúncias, o banco vem descumprindo as medidas protetivas, sistematicamente, nesse período de maior fluxo de beneficiários do INSS nas agências. Elas incluem o contingenciamento de atendimento de no máximo dez clientes por unidade bancária e o encerramento do atendimento bancário físico às 14h.

Os sindicatos de todo o país já estão mobilizados para levantar as provas, como fotos, gravação de áudio e de vídeo, mostrando a irresponsabilidade do Mercantil em relação aos clientes e funcionários que estão sendo expostos ao contágio em agências lotadas e com horário de atendimento prorrogado. As provas serão encaminhadas à Fenaban, aos órgãos governamentais superiores e também à grande mídia de rádio e televisão.

As denúncias também apontam que funcionários estão sendo orientados pelas superintendências comerciais para que, se os representantes sindicais aparecerem nas agências para fiscalização e controle, deverão tentar disfarçar as infrações e fingir normalidade de atendimento. A situação vexatória é uma verdadeira afronta do Mercantil do Brasil ao movimento sindical, aos seus trabalhadores e clientes, representando também uma séria ameaça à saúde pública.

Para Marco Aurélio, diretor do Sindicato e coordenador nacional da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Mercantil, a direção do banco tem que orientar os funcionários a procederem de acordo com as premissas de contingenciamento e horário de atendimento no máximo até 14h. “Dependendo do número de clientes nas filas externas, deverão ser distribuídas senhas de atendimento limitadas, para que o horário acordado de 14h não seja extrapolado nas agências e que os aposentados sejam atendidos de forma equalizada. Cabe ao banco garantir condições de segurança plenas frente à pandemia do coronavírus. Ao submeter os trabalhadores e aposentados do INSS a situação de risco com a lotação das agências, o Mercantil poderá ser penalizado, pois está agindo de forma negligente”, destacou.

O diretor do Sindicato Vanderci da Silva afirmou que, se as denúncias de descumprimento do acordo forem comprovadas, será caracterizada grande irresponsabilidade do Mercantil em relação aos funcionários e também aos milhares de aposentados e pensionistas do INSS. “O Mercantil não pode colocar a ganância do lucro acima da saúde e da vida das pessoas. Por isso, estamos orientando clientes e funcionários de todo o Brasil a filmarem e fotografarem a situação caótica das agências e enviar os materiais para os sindicatos de bancários locais, para que as denúncias sejam comprovadas e que o banco passa arcar com sua postura”, explicou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: