Em negociação com o Santander, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) conquistou proposta de Acordo Aditivo para adiamento do início da compensação das horas negativas – inicialmente previsto para janeiro – para o mês de março. O novo prazo também poderá ser prorrogado, dependendo das condições da pandemia.

A proposta também amplia o período para a compensação de 12 para 18 meses, sendo vetado desconto em folha de pagamento até encerrado este prazo. Em caso de demissão sem justa causa ou aposentadoria, também é vetado o desconto das horas não compensadas.

A proposta será submetida a análise e aprovação dos bancários do Santander, por meio de assembleia virtual a ser realizada nos próximos dias.

“Foi um importante avanço o compromisso do Santander de não convocar bancárias e bancários para a compensação imediata das horas. O Sindicato sempre atua para garantir a saúde dos trabalhadores e este é mais um acordo conquistado nas negociações com o banco, que será votado democraticamente pelos funcionários”, afirmou Wagner dos Santos, funcionário do Santander e diretor do Sindicato.

A COE também cobrou que o banco ofereça funções remotas aos trabalhadores que estão atuando de forma presencial, evitando o aumento de horas negativas a serem compensadas.

O Sindicato irá acompanhar, ao longo do ano, a compensação das horas negativas e continuará cobrando medidas mais eficazes de prevenção à Covid-19. Entre elas, a redução no número de trabalhadores que atuam presencialmente e que o banco ofereça funções remotas para estes funcionários, evitando o aumento de horas negativas a serem compensadas.

Qualquer irregularidade deve ser denunciada imediatamente ao Sindicato.

Resumo da proposta de Acordo Aditivo para compensação de horas negativas:

  • Início da compensação será adiado de janeiro para março, com a possibilidade de nova prorrogação a depender do cenário da pandemia de coronavírus.
  • Ampliação do prazo de compensação de 12 para 18 meses.
  • Vetado desconto em folha de pagamento até encerrado o prazo de 18 meses para compensação.
  • Em caso de demissão sem justa causa ou aposentadoria, é vetado o desconto das horas negativas não compensadas.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: