Os trabalhadores do Itaú saíram otimistas da reunião do Grupo de Trabalho (GT) de Saúde realizada na sede da Contraf-CUT, em São Paulo, nesta quarta-feira, 30. O Sindicato participou da negociação representado pela diretora de Saúde, Luciana Duarte.

Na mesa, a direção do banco se comprometeu a ter, como prioridade, as reivindicações apresentadas pelo movimento sindical desde 2016.

Quanto ao endividamento do trabalhador afastado depois do retorno, o banco se comprometeu a analisar uma fórmula que não permita que o holerite fique zerado até quitar a dívida, como acontece atualmente.

Outro ponto importante é o descritivo dos descontos nos holerites, que confunde muito o trabalhador. O Itaú buscará, via sistema, uma solução. O banco reconheceu, ainda, que há problemas no processo desde o primeiro dia de afastamento, para entrega de documentos, até o fechamento da folha de pagamentos e isso contribui para que os valores sejam confusos.

“É importante que o banco atenda à nossa reivindicação. As cláusulas de antecipação salarial e do salário emergencial foram criadas justamente para garantir que o trabalhador não tenha que lidar com o endividamento em um momento que já é difícil devido ao adoecimento. Outro ponto importante foi a retomada das discussões sobre o programa de retorno ao trabalho, que será tratado na próxima reunião”, afirmou Luciana Duarte, que coordena o GT de Saúde.

A próxima reunião do GT será realizada na segunda semana de dezembro.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: