Foto: Contraf-CUT

 

Depois de dois dias reunidos no Encontro Nacional dos Trabalhadores do Banco Mercantil do Brasil (BMB), em São Paulo, foi definida a minuta de reivindicações específicas a ser negociadas com o banco. Os presentes aproveitaram o encontro para definir também a estratégia de luta para o próximo período.

Para Marco Aurélio Alves, diretor do Sindicato e coordenador nacional da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Mercantil, o encontro foi um momento importante para definir metas para a Campanha Nacional 2018 e tratar de temas específicos. “Debatemos sobre a melhor distribuição de PLR, implementação de um plano de carreira, cargos e salários, fim das metas abusivas, fim do assédio moral e melhores condições de saúde e trabalho para os funcionários do banco”, explicou.

Também foram discutidas, durante o Encontro, os recentes fechamentos de unidades bancárias do Mercantil nos estados de Santa Catarina e Espírito Santo, com a demissão sumária de trabalhadores, inclusive alguns com estabilidade provisória de emprego.

“O banco já foi denunciado nos ministérios públicos locais e as demissões serão julgadas por esses órgãos. Em alguns casos, já há decisões favoráveis aos trabalhadores injustamente demitidos”, afirmou Marco Aurélio.

Foi definido, ainda, que os trabalhadores do Mercantil irão apresentar uma moção de repúdio denunciando a postura truculenta e antidemocrática do banco contra seus clientes e trabalhadores, além de criticar o fechamento das unidades bancárias.

O documento será levado à 20ª Conferência Nacional dos Bancários, que será realizada a partir desta sexta-feira, 8 de junho, na Quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Os representantes dos trabalhadores devem entregar a minuta de reivindicações ao Mercantil ainda no mês de junho.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: